1 de jul de 2016

Nota de Esclarecimento sobre a morte do suplente de vereador Reginaldo Oliveira


Eu, José Edilson de Lima Ferreira tomando conhecimento pelos meios de comunicação do desfecho dado ao inquérito policial que apura o assassinato de Reginaldo Oliveira da Silva, e, diante da perplexidade e comoção com o resultado das apurações pela população de Barrocas e Municípios adjacentes, venho prestar os seguintes esclarecimentos:

1) No dia 27 de maio de 2013, por volta das 19h30, tive minha residência invadida por dois indivíduos, um de cor branca e outro negro, portando armas de fogo e juntamente com Reginaldo imaginamos que era um assalto, porém, tratava-se de um “crime de mando”, uma execução. Foram deflagrados um ou dois tiros contra Reginaldo, na cozinha de minha casa e no momento do desespero, lancei uma cadeira contra um dos meliantes e corri para um quarto nos fundos da casa (próximo da cozinha);

2) Reginaldo foi socorrido imediatamente por mim e pelos meus vizinhos ao Hospital do Município, mas infelizmente veio a óbito;

3) Depois do assassinato de Reginaldo várias pessoas disseram que viram dois indivíduos estranhos rondando a casa na semana anterior, no fim de semana e no próprio dia do evento fatídico, utilizando-se de uma motocicleta de cor preta;

4) Meus vizinhos e os moradores da cidade ficaram atemorizados e desesperados, porque tal fato nunca ocorreu no Município.

5) Fui ouvido pelo Delegado da época, fiz o “retrato falado” do indivíduo branco que ficou à minha frente e a autoridade policial intimou diversas pessoas para prestarem testemunho.

6) No ano de 2014, alguns moradores da cidade assistiram a um programa da emissora de televisão Record, denominado ˜domingo espetacular”, sobre o assassinato da “esposa do Rei do Papelão” em 16/03/2014, na cidade de Poços de Caldas, no Estado de Minas Gerais, dando conta que se tratavam dos mesmos assassinos de Reginaldo.

7) Meu advogado comunicou tal fato a autoridade policial.

8) No ano de 2015, fui convidado pelo Delegado de Policia Hildebrando Alves para comparecer ao Município de Lauro de Freitas, para fazer o reconhecimento de um indivíduo que estava detido na Delegacia daquela cidade, em razão da sua semelhança com o “retrato falado”, contudo não o reconheci como sendo um dos algozes de Reginaldo Oliveira da Silva.

9) Na véspera de completar 03 (três) anos do assassinato, neste último mês de maio/2016, a cidade de Barrocas foi surpreendida com a notícia de que as testemunhas ouvidas na época do crime disseram que nada viram sobre o assassinato de Reginaldo Oliveira da Silva. Por esse motivo, a autoridade policial concluiu que ninguém adentrou minha casa naquele dia e hora, concluindo ainda, que eu era o único autor do crime.

10) Reginaldo protocolou denúncias perante a Câmara de Vereadores, Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia, Ministério Público Estadual e Federal, Policia Federal e CGU; dando conhecimento de supostos ilícitos praticados por mais de 30 (trinta) empresas contra o Município de Barrocas - Bahia, fatos que ainda estão sob investigação.

11) No dia do seu assassinato, Reginaldo Oliveira da Silva concedeu calorosa entrevista ao radialista “Ferraz”, onde fez uma nova denúncia de ilicitude contra o Município de Barrocas.

12) Segundo o Delegado de Polícia, foram colhidos depoimentos de alguns dos sócios das empresas denunciadas, mas estes negaram qualquer irregularidade ou ilícito contra o Município de Barrocas.

13) E, segundo informações do Radialista José Ferraz a mídia da última denuncia - entrevista concedida por Reginaldo Oliveira da Silva no dia do seu assassinato -, não foi requerida pela autoridade policial.

14) A emissora de rádio disse que não dispõe deste arquivo, porque já se passaram mais de 03 (três) anos, portanto, assim, não se tem conhecimento de quem foi o denunciado, um dos possíveis mandantes.

15) Não se investigou qualquer das denúncias de Reginaldo, ou seja, seu esforço foi em vão, os criminosos alcançaram seu objetivo, calaram aquele que os denunciou, é a mentira tentando superar a verdade.

16) Os denunciados não fazem parte do rol de investigados.

17) Diante deste quadro, estive com meu advogado em Minas Gerais para verificar a semelhança dos criminosos presos pelo assassinato da esposa do “Rei do Papelão”, com aqueles que ceifaram a vida de Reginaldo Oliveira da Silva, comparecendo em 02 (duas) delegacias de policia e 02 (duas) unidades carcerárias em cidades que distam mais de 300 (trezentos) quilômetros, tendo reconhecido sem sombra de dúvidas aqueles indivíduos, como os que entraram em minha residência armados e mataram o meu amigo e, ainda tentaram praticar um crime contra a minha pessoa, não o fazendo por motivos alheios.

18) O reconhecimento dos criminosos já foi comunicado a autoridade policial e ao Ministério Público de Serrinha – Bahia.

19) Os assassinos já estão presos. Agora só faltam os mandantes.

Hoje me sinto na obrigação de fazer uma Nota de Esclarecimento, para a população de Barrocas, pois minha família, amigos e vizinhos, especialmente aqueles que também eram amigos de Reginaldo Oliveira da Silva, se sentem injustiçados com o atual desfecho do inquérito.

Reginaldo vivia na minha casa, tomava o café da manhã, almoçava e jantava, tinha livre acesso, como um verdadeiro parente, somente ia dormir num pequeno cômodo que alugou na casa de sua irmã, inclusive muitas vezes o ajudei a pagar tal locação. Era um grande amigo.

Por esse motivo, me vi na obrigação de fazer esse breve relato.

E também me vi na obrigação de ir em busca de outras provas, reconhecendo, inclusive, os executores do bárbaro homicídio de Reginaldo que já estão presos há quase 02 (dois) anos em Minas Gerais.

Confio na autoridade policial, confio no Ministério Público e na nossa Justiça que irá prender e condenar todos os culpados – os executores e mais ainda os mandantes que esperamos não continuem impunes.

A verdade irá sempre prevalecer sobre a mentira.

Por esse motivo, peço aos pais de família, aos homens e mulheres de bem deste Município e de toda a região sisaleira que tenham visto os algozes de Reginaldo Oliveira da Silva, - os indivíduos Luciano Monteiro Santos – “galego” e Márcio da Silva Santos – “negão” -, que provavelmente circularam por toda essa região alguns dias antes do homicídio (27/05/2013), numa motocicleta preta, pois, ao certo, se alimentaram e dormiram por essas hospedagens. A identificação destes executores pode ser confirmada no seguinte endereço eletrônico: (http://noticias.r7.com/domingo-espetacular/videos/veja-a-reconstituicao-da-morte-da-esposa-do-rei-do-papelao-em-mg-17102015).

Barrocas, 01 de julho de 2016.

José Edilson de Lima Ferreira

Nenhum comentário:

Postar um comentário