31 de dez de 2014

Motor de sisal da década de 40 resiste na Bahia; mutilados passam de dois mil

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

Com investimento de R$1,2 milhão, projeto para 'máquina segura' falhou


Edson Oliveira, trabalhador rural de 26 anos, perdeu a parte superior de um dos dedos da mão esquerda quando operava uma máquina desfibradora de sisal. O acidente ocorreu em 31 de dezembro de 2013, dia de festa de réveillon para milhões de brasileiros e de trabalho pesado nas roças do município de Conceição do Coité, a cerca de 35 quilômetros de Serrinha. Psicologicamente, o desastre deixou traumas. "Não gosto nem de lembrar. Quando me dei conta, já não tinha nada a fazer. É triste", lamenta.

Apesar da trágica lembrança, nada mudou na vida profissional do jovem cevador. Quase um ano após o acidente, o trabalho de risco persiste diante de um equipamento que já mutilou mais de 2.000 produtores de toda região sisaleira, que é composta por mais de 30 municípios. "Eu tenho medo que ocorra de novo, mas não tenho outro meio de sobreviver", explica o motivo de ainda se arriscar meio à vegetação seca do semiárido baiano.

Edson Oliveira, de 26 anos, perdeu parte de um dos dedos em 2013


As vítimas do motor do sisal estão espalhadas pelas comunidades de Conceição do Coité. Morador do “Assentamento Nova Palmares”, a 12 quilômetros do centro do município, o próprio Edson Oliveira relata que não foi o primeiro da família a ter sido vítima do equipamento. "Eu tenho um tio que cortou até aqui", disse apontando para o antebraço. Em caso próprio e sobre o parente, o cevador comenta que os acidentes ocorreram durante descuidos de segundos. "Eu vacilei. Num momento de distração, a minha mão desceu. O trabalho exige muita atenção", explica o produtor que desfibra sisal há 10 anos.

Diante da vegetação seca, o som alto e persistente do motor do sisal indica os caminhos para histórias de outras vítimas. Rodeado por jovens cevadores, o trabalhador rural Antônio da Silva Cardoso, de 54 anos, guarda as marcas de um acidente traumático. Em 1976, quando tinha apenas 16 anos de idade, perdeu quatro dedos da mão esquerda quando operava a máquina desfibradora. Era o primeiro ano de trabalho com o equipamento e dez anos posteriores de afastamento das atividades do campo.

Antônio da Silva Cardoso, de 54 anos, teve dedos mutilados em 1976


"Nesse período, meu pai ainda era vivo e ele me deu sustento até quando eu consegui, assim, um custo. Aí, depois que eu consegui, meu pai parou de me ajudar. Sempre agradeço a meu pai, que foi quem me ajudou quando eu me acidentei", disse emocionado. Após décadas, ainda é difícil para Antônio lembrar dos momentos do desastre. Seus olhos marejam ao reaver os traumas de uma adolescência perdida.

"Eu passei um ano e meio que não aguentava nem passar nem perto do motor trabalhando assim, que eu me lembrava. Ficava naquele pensamento. Fui indo, fui indo, fui indo. Pedi por Deus e fui esquecendo. A gente trabalhador de roça vê muita coisa, né? Foi passando esse tempo, mas de vez em quando me lembro ainda", desabafa.

Hoje em dia, Antônio ainda opera o motor mutilador. "Mas faço de tudo para não lembrar daquele dia", ressalta a força que empreende para dar continuidade ao serviço que possibilita a manutenção de mais de 700 mil pessoas em toda região sisaleira.

Bráulio Oliveira, de 49 anos, é dono de motor de sisal


Antônio trabalha na máquina de Bráulio Oliveira, de 49 anos. O produtor rural herdou o equipamento do pai, em 1974, sendo que o produto foi adquirido pela família em 1949. O trabalho do dono e do cevador se misturam. Eles atuam juntos na colheita, transporte e desfibração do sisal.

"As máquinas que usamos são muito antigas. O problema é que os melhores técnicos não veem na região para criar uma máquina. Lá nos Estados Unidos mesmo, lá não tem sisal. Então, eles não têm como criar uma máquina, uma tecnologia para trazer para cá. E se também fizer vai vender a quem? Porquê uma máquina dessa deve ser cara", argumenta.

'Tecnologia' de 40 - Coordenador do Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (Sintraf) de Conceição do Coité, Urbano Carvalho, de 55 anos, explica que a máquina utilizada para desfibrar o sisal é a mesma operada pelos trabalhadores rurais há mais de 60 anos.

Ele detalha que a segunda etapa de beneficiamento da planta - quando é feita a seleção da fibra nas batedeiras industriais-, já evoluiu bastante. Antes, os fardos eram carregados nos ombros. Hoje, há elevadores que sustentam a produção. "Apesar disso, nada evoluiu no setor primário. Nada mudou na vida do pequeno produtor. São mais de seis décadas utilizando a mesma máquina", critica.

Urbano Carvalho, de 55 anos, diz que falta investimentos no campo


Mesmo diante do risco que persiste após gerações, Urbano esclarece que o número de acidentes diminuiu na região graças às orientações de manuseio empreendidas pelos sindicatos locais, como também pela adaptação dos produtores com os equipamentos. Foram três casos registrados na cidade nos últimos dois anos.

Outro motivo apontado para a redução dos acidentes está relacionado à própria queda na produção de sisal - mais de 50% desde a década de 90. A produção que chegou a ser de 160 mil quilos por ano no município, hoje não passa de 70 mil. Urbano destaca que a queda está relacionada a três grandes motivos: a seca que atinge a região - que só este ano levou os produtores a perder mais de 80% da safra de inverno; a praga conhecida como 'Podridão Vermelha ' - fungo que afeta a qualidade da planta; além do baixo preço de repasse da fibra que durante muito tempo girou em torno de R$0,60/ Kg. Hoje, o custo médio é R$2,60 / Kg.

Máquina "Paraibana" responsável por mutilações na região sisaleira


A máquina que há décadas mutila milhares de produtores tem aparência rudimentar. Chamada popularmente de "Paraibana", ela é composta por uma charrete com motor a diesel e uma máquina desfibradora acoplados. O produto tem 12 canaletas que funcionam como cevas. A folha do sisal passa, justamente, no espaço entre o giro das canaletas e uma pedra de limar. Os produtores estimam que a velocidade do motor chegue a 40 Km/h. Sem trava de proteção, a mão do cevador se aproxima das canaletas. Quando a planta está seca, a fibra pode se prender à máquina e puxar a mão do operador que não estiver atento.

Frustração no campo - Em 2010, uma parceria entre o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e a Secretaria de Ciência Tecnologia e Inovação do Estado (Secti) viabilizou a produção e distribuição de mais de 100 unidades de uma nova máquina desfibradora de sisal.

Conhecida como "Faustino", o equipamento surgiu como esperança de "mutilação zero" nos municípios da região sisaleira da Bahia. A distribuição dos produtos foi realizada na cidade de Valente, a 26 quilômetros de Conceição do Coité, que é considerado o maior polo industrial de sisal do país. A produção e compra dos novos produtos custou R$1.294.897,80.

Máquina "Faustino V", que não tem produtividade para cevadores


O Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (Sintraf) disponibilizou o projeto do novo equipamento publicado em agosto de 1999. Os dados disponibilizados no documento apontavam um cenário eminentemente animador. Sobre o novo produto, as informações divulgadas diziam que um dispositivo de segurança impediria o risco de mutilações. Os documentos também indicavam que a "Faustino" teria uma produção mensal média de 4 mil quilos, 2,4 mil a mais que a "Paraibana". A diferença de produção implicaria em um acréscimo de R$1 mil na renda mensal do dono da máquina, que até aquele momento era de R$96.

Apesar de ter oferecido segurança aos operadores, o novo equipamento não atendeu às expectativas dos trabalhadores em termos de produtividade. “Os produtores não aprovaram o equipamento. O rendimento não era o mesmo e o custo era alto. A máquina velha ficou”, garantiu o gerente administrativo da Fundação de Apoio à Agricultura Familiar do Semiárido da Bahia (FATRES), Adevaldo Oliveira, de 40 anos.

No Povoado do Junco, a 10 quilômetros do centro de Valente, o produtor rural José Elias Lima, de 57 anos, confirmou a frustração. Ele ressalta que a produção do novo equipamento é mais de 50% inferior à antiga. “A produção da mais velha chega até 600 Kg por dia. Na nova, ninguém até hoje conseguiu produzir mais de 300 Kg”, argumenta.

José Elias Lima, de 57 anos, não aprovou nova máquina desfibradora


O posicionamento é reiterado por Bráulio Oliveira, que é dono de uma máquina “Paraibana” em Conceição do Coité. “Trabalhando de 5h às 12h, a máquina mais velha produz 425 kg, por aí. A outa [mais nova] produz 150 Kg. Em vez de levar para frente, ela levou a gente para trás. O governo jogou dinheiro fora”, reclama.

Diante dos riscos oferecidos pela máquina "Paraibana" – que persistem há quase 70 anos -, o ex-produtor rural Neivaldo Oliveira, de 59 anos, preferiu deixar o trabalho no sisal. Ainda assim, guarda marcas da profissão de risco. Em 1983, ele perdeu quatro dedos da mão esquerda no motor mutilador. “Eu tinha 28 anos. Na hora que acontece, vem muita coisa na cabeça. Logo, você pensa: como vou sobreviver? Na época acontecia muito. A região tinha muito mutilado”, destaca.

Neivaldo Oliveira, de 59 anos, teve dedos mutilados em 1983


Mesmo com o acidente, Neivaldo detalha que voltou ao trabalho seis meses após ter os dedos amputados. “Fiquei até 1992. Tinha que trabalhar e não havia muita saída”, explica. Hoje, distante dos trabalhos do campo, ele atua numa oficina de Valente como alinhador de jante de moto. Ainda assim, as marcas da tragédia ressoam. “Fica o trauma, mas a vida precisa seguir”, conclui.

Investimentos perdidos - Por meio de nota, o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) informou que a aquisição das novas máquinas foi resultado de um contrato com a Secretaria de Ciência e Tecnologia e Inovação do Estado da Bahia (Secti), por meio da Ação de Apoio à Infraestrutura em Territórios Rurais (Proinf), em 2007.

Conforme o MDA, o programa previa a aquisição de 112 máquinas desfibradoras de sisal, beneficiando diretamente 120 agricultores familiares e indiretamente 3.500 agricultores. Foram investidos R$1.294.897,80, sendo que R$1 milhão de repasse do MDA e R$294.847,80 da Secti.

Meio à vegetação, produtores trabalham na máquina antiga de sisal


Apesar do investimento R$1.294.897,80, o MDA destaca que o valor executado no projeto foi de R$ 573.241,80. Por isso, o órgão atesta que houve devolução de recursos no valor de R$426.758,20 referente ao repasse do MDA e R$174.897,80 de rendimentos de aplicação. "Estes valores foram devolvidos à União em 14 de agosto de 2012. A Secti prestou contas da execução física e financeira à Caixa Econômica Federal, mandatária da União. A aprovação da mesma ocorreu em 21 de agosto de 2012 e está registrada no SIAFI sob o número 2012NS001294", informa nota.

O MDA ressalta que, até o momento, não consta nos arquivos da Secretaria de Desenvolvimento Territorial qualquer denúncia acerca da utilização irregular dos equipamentos adquiridos no contrato do Proinf. Deste modo, o órgão afirma que irá solicitar posicionamento da Secti sobre o assunto."

Produção de sisal é afetada pela seca que atinge a região do semiárido


A execução do contrato e a correta utilização dos equipamentos adquiridos em benefício da agricultura familiar é uma atribuição da Secti. Entretanto, com vistas a garantir que os equipamentos adquiridos sejam devidamente utilizados pelo publico beneficiário e em consonância com o objetivo do projeto apoiado, o MDA está solicitando informações complementares à Secti", destaca o Ministério.

Também por meio de nota, a Secretaria de Ciência Tecnologia e Inovação do Estado (Secti) confirmou a destinação de algumas máquinas para região sisaleira, mas ressaltou que elas não foram aceitas pelos produtores por serem muito pesadas e de difícil movimentação. Devido à rejeição dos produtores, a Secti afirmou que, em agosto deste ano, contratou junto ao Senai/Cimatec - instituição de referência nacional em engenharia mecânica -, um projeto de protótipo máquina desfibradora de sisal desenvolvido pela instituição, que se encontra em fase de execução, com estimativa para testes em março de 2015. "Nesse projeto serão investidos R$ 1.567.500,00", ressalta nota.

Sisal: importância econômica - De acordo com Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Reforma Agrária, Pesca e Aquicultura (Seagri), a cultura do sisal gera a renda que possibilita a sobrevivência de aproximadamente 700 mil pessoas em mais de 260 mil hectares da cultura, distribuídos em mais de 40 municípios do semiárido baiano, englobando os territórios do Sisal, Chapada da Diamantina, Piemonte da Diamantina, Semiárido Nordeste II, Sertão do São Francisco, Piemonte do Paraguaçu, Bacia do Jacuípe, Irecê, Vale do Jiquiriçá e Piemonte Norte do Itapicuru. Sendo que em mais da metade destes, o sisal é a fonte de renda mais importante.

Sisal é colocado para secar após planta ser desfribrada


Segundo a Seagri, o Brasil é o maior exportador de sisal do mundo, com uma produção anual de 119 mil toneladas, o que corresponde a 56% da safra mundial. É também o maior produtor mundial de sisal, com uma fatia de 40% do mercado. A Bahia é o principal produtor de sisal do território brasileiro, contribuindo com 94% da produção nacional.

No estado, representa o segundo produto na pauta de exportação agrícola, tendo uma grande importância social por envolver aproximadamente 150 mil famílias, que encontram no sisal a única fonte de renda. Os grupos reunidos em Arranjos Produtivos Locais (APL) são apoiados pelo programa estadual Progredir, coordenado pela Secti.

O sisal é uma planta que produz uma fibra natural e biodegradável e pode ser utilizada na fabricação de tapetes, bolsas, chapéus, artigos de decoração em geral, todo tipo de cordoaria e até peças plásticas para automóveis. (G1)

Transporte de sisal colhido é feito por jegues até máquina desfibradora

30 de dez de 2014

Teofilândia: sem lotérica, filha de premiada na 'Mega da Virada' viaja para apostar

Redação Portal Cleriston Silva PCS

Loterias 'Rubi está fechada há mais de três meses em Teofilândia


Os moradores do município de Teofilândia, a cerca de 24 quilômetros de Serrinha, chegam ao final de mais um ano tentando desvendar um antigo ditado: "Será que um raio cai duas vezes no mesmo lugar"? Parece estranho, mas o desejo dos quase 22.873 de habitantes é de que a resposta seja sim. Não poderia ser diferente. O raio é nada mais do que a "Mega da Virada" que, na noite do dia 31 de dezembro de 2013, tornou 22 trabalhadores de um hospital local milionários após um bolão. O prêmio total era de R$ 224.677.860,07, que foi distribuído entre quatro apostas vencedoras: Curitiba (PR), Palotina (PR), Maceió (AL) e Teofilândia (BA). Os sortudos da aposta baiana repartiram o valor de R$56 milhões.

Um ano após o sorteio, a reportagem voltou à pequena cidade do norte da Bahia. Logo na chegada, a primeira surpresa. A Lotérica Rubi, única central de apostas do município, estava fechada. "Não abre as portas há uns três meses. Não sabemos ao certo o que aconteceu. Falta de movimento é que não foi. Depois que os moradores daqui ganharam, muita gente começou a apostar. As filas tomavam conta da praça. Ninguém pagava conta. Só jogava", disse Luana Santos, de 21 anos, que trabalha em uma loja de roupas vizinha à lotérica.

Luana Santos, de 21 anos, afirma que lotérica tinha ótimo movimento


Em frente ao pequeno empreendimento de moda, minutos após conversa com Luana Santos, o dono da central de apostas "Rubi" passou pela região. Ele não quis dizer o nome, por questão de segurança, mas relatou que a lotérica foi fechada por motivos administrativos. A causa específica não foi relatada, mas o proprietário esboçou confiança de que o espaço seja reaberto. "Essa é a nossa expectativa, mas ainda não há prazo", admite.

Procurada pela reportagem, a Caixa Econômica Federal (CEF) confirmou que a unidade foi fechada devido a um problema operacional envolvendo a relação com o empresário local e atestou que não há previsão de reabertura do espaço.

Em busca do milhão - Sem unidade lotérica no município, os moradores têm viajado para realizar apostas na cidade de Araci, a cerca de 18 quilômetros de Teofilândia. Quem já está na torcida em busca do milhão é o servidor da prefeitura local, Genivaldo Oliveira, de 35 anos. "Entrei no bolão com os colegas de trabalho. O bolão já tem 10 pessoas e a aposta é de R$10. Com o dinheiro do prêmio, eu pagaria alguns débitos e compraria um terreno", antecipa.

À esquerda, Genivaldo Pereira, de 35 anos, que apostou com amigos


O taxista José Andrade, de 49 anos, também mantém esperanças de ficar milionário. Por isso, também organizou um bolão com os colegas de profissão, que têm ponto na praça local. "Só Jesus sabe se vou ganhar, mas eu vou apostar. Se ganhar, a primeira coisa que eu vou fazer é ajudar as pessoas carentes da região", promete.

Vendedora de salgados no município, Josenilda Moura, de 25 anos, está entre os moradores de Teofilândia que não veem problema em viajar para a cidade vizinha em busca do sonho de ser milionária. "Claro que eu vou jogar. Se eu ganhasse, ajudaria uma instituição que cuida de idosos. A cidade está bem carente disso", relata.

No Hospital Municipal Waldemar Ferreira, onde foi feito o bolão milionário de 2013, os funcionários não voltaram a fazer bolão neste ano. "É difícil um raio cair duas vezes no mesmo lugar", acredita Jeane Oliveira, que atua na farmácia da unidade médica.

Filha de milionária - Coisas de cidade pequena. Dentro da loja de moda vizinha à casa lotérica, a reportagem encontrou a filha de uma das ganhadoras do prêmio, em 2013. Rosimeire Silva, de 33 anos, teve cautela ao revelar a identidade, mas não demorou a contar que é herdeira de uma das sortudas.

A mãe dela, de 59 anos, trabalhava há 33 anos no Hospital Municipal Waldemar Ferreira quando apostou R$5 no bolão da unidade e levou R$2,5 milhões. "A minha mãe fazia de tudo lá [no hospital], era uma lutadora: limpava, lavava, passava. Ela só não atendia como enfermeira ou médica", ressalta.

Rosimeire Silva, de 35 anos, é filha de uma das ganhadoras da Mega


Rosimeire detalha que, dos 22 ganhadores, apenas quatro deixaram a cidade. Alguns deles, ela destaca que continuam a atuar no hospital. "Minha mãe era concursada, mas cedeu a vaga para dar oportunidade de trabalho para outra pessoa. Ainda tem uns três ou quatro lá", revela. Na unidade de saúde, ninguém fala sobre o assunto.

Filha da ganhadora, Rosimeire revela que a família quase não gastou o dinheiro do prêmio e vive mais dos rendimentos, que giram em torno de R$12 mil mensais. "A gente continua a mesma coisa. Tem gente que diz que a gente tá se achando, mas não é verdade. A minha mãe, por exemplo, ajudou muita gente. É claro que agora eu faço as coisas que eu gosto. Tenho meu carro. Se tem uma festa boa, eu vou mesmo", deixou claro.

O aproveitamento da vida de milionário tem sentido. "Antes [do prêmio] era apertado demais. Não gosto nem de lembrar. Somos ao todo 10 filhos e todos morávamos na roça. Agora, temos que aproveitar", explicou.

Mesmo com as contas abastecidas, Rosimeire antecipa que está de olho na "Mega da Virada" deste ano. "Meu irmão fez 50 bilhetes para jogar no réveillon. Eu também vou jogar. Aqui não tem mais lotérica, mas vou jogar em Araci [cidade vizinha]. Tenho esperança. Acho sim que um raio pode cair duas vezes no mesmo lugar. É só acreditar", cruzou os dedos. (G1)

Salários de deputados baianos aumentam mais de R$ 5 mil

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

Os deputados estaduais da Bahia aprovaram, na noite desta segunda-feira (29), o projeto que determina o aumento do salário dos prórios deputados e do governador do estado.

Segundo informações da Assembleia Legislativa, os parlamentares baianos, que hoje têm vencimento de R$ 20.042,44, passarão a receber R$ 25.322,25. Já o administrado estadual, que atualmente ganha salário de R$ 18.653, passa a receber R$ 22.049,81.

Os novos vencimentos começam a valer em 1º de fevereiro de 2015.

Na mesma sessão, os deputados também aprovaram as contas do Governo do Estado referentes ao ano de 2013.

Já o orçamento do Estado para 2015 não foi votado nesta segunda-feira. O relator do orçamento, deputado Paulo Câmara (PDT), chegou a ler o projeto, mas o deputado Elmar Nascimento (DEM) pediu vistas. Com isso, o orçamento ficou para ser votado na tarde da próxima segunda-feira (5).

Governo economizará R$ 752,8 milhões com reajuste menor do salário mínimo

Redação Portal Cleriston Silva PCS

O salário mínimo no valor de R$ 788,00 fixado pela presidente Dilma Rousseff ficou abaixo do esperado pelo Congresso Nacional, que estimava o valor em R$ 790,00 para fixação do Orçamento de 2015, ainda não aprovado. A diferença de R$ 2,00 proporcionará uma economia de R$ 752,8 milhões em relação à previsão de gastos do Legislativo, segundo cálculos do consultor da Câmara dos Deputados Leonardo Rolim.

O valor estabelecido hoje por Dilma é, inclusive, ligeiramente inferior ao previsto pelo próprio governo em agosto deste ano, quando a proposta do Orçamento de 2015 foi enviada ao Congresso. Na ocasião, o valor era R$ 788,06.

O valor do mínimo, porém, ainda é provisório, segundo frisou Rolim. Isso porque o piso é reajustado conforme o crescimento da economia de dois anos atrás, mais a variação da inflação deste ano, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Essa ainda não está apurada, por isso o governo usou uma estimativa. Mas, se ela se revelar inferior ao resultado, o mínimo será recalculado.

Segundo o consultor, não se pode entender que a presidente enfrentou o Legislativo ao estabelecer um valor abaixo daquele esperado pelos parlamentares. “Ela apenas cumpriu a lei”, disse, referindo-se à correção conforme a inflação e o crescimento da economia.

Rolim disse ainda que, mesmo trabalhando com um mínimo mais robusto, os cálculos do Congresso para as despesas atreladas ao piso salarial ainda estavam subestimados. Especialistas apontam que o governo, ao construir sua proposta de Orçamento para 2015, puxou para baixo a estimativa de diversos gastos e exagerou na expectativa de arrecadação, para conseguir fechar as contas.

29 de dez de 2014

Suspeito de assalto a banco é assassinado a tiros dentro de bar em Cansanção

Redação Portal Cleriston Silva PCS

Um homem foi morto dentro de um bar, na cidade de Cansanção, distante 166 quilômetros de Serrinha, na tarde desta segunda-feira (29).

De acordo com a Polícia Civil (PC), a vítima, Oduvaldo Alves do Santos, de 44 anos, conhecido como “Dudu do Jacurici”, estava no estabelecimento, em um ponto movimentado da Avenida Tancredo Neves, no centro da cidade, quando foi surpreendido pelos assassinos por volta das 13h.

Ainda de acordo com a PC, testemunhas disseram que havia 10 pessoas no estabelecimento quando os criminosos chegaram. Eram dois homens armados que, sem dizer nada, começaram a atirar contra Oduvaldo. Mesmo ferido, ele correu para a rua em frente ao bar, mas caiu agonizando e morreu.

“Infelizmente, no local se encontravam várias pessoas, mas temendo represálias, ninguém falou nada. “Possivelmente pode ser a motivação acerto de contas tendo em vista que essa vítima já tinha passagem por roubo de veículos, assalto a banco e homicídio”, falou a delegada que investiga o caso Lia Mara Paim.

Os suspeitos fugiram e não foram identificados. O corpo foi encaminhado ao Departamento de Polícia Técnica de Senhor do Bonfim.

Foto: Portal de Noticias

Adolescentes são apreendidos com maconha em Araci

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

Quatro adolescentes suspeitos de envolvimento com o tráfico de drogas foram apreendidos na tarde desta segunda-feira (29) em Araci, a 35 quilômetros de Serrinha, durante uma operação da Companhia de Emprego Tático Operacional (CETO), realizada no bairro Tira Colo.

A PM afirmou que já acompanhava a rotina dos suspeitos e descobriu que a residência deles era usada como depósito e venda de drogas. A polícia iniciou a operação depois de denúncias anônimas feitas por vizinhos dos suspeitos.

Foram apreendidos com os menores infratores 63 papelotes de maconha, uma balança de precisão, além de 20 cartuchos de escopeta calibre 20, todos deflagrados.

Todo material apreendido e os adolescentes foram encaminhados para a Delegacia Territorial (DT/Araci).

Detento é encontrado morto no presídio de Serrinha

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

Um detento de 42 anos foi encontrado morto na manhã desta segunda-feira (29) na cela disciplinar da Penitenciária de Segurança Máxima de Serrinha.

Segundo a Polícia Civil, o corpo de Antônio Marcelo dos Santos, vulgo “Coalho”, foi encontrado por monitores de plantão por volta das 9h30m.

De acordo com o boletim de ocorrência, a vítima estava suspensa em uma corda feita com lençóis, que foi amarrada na grade da janela e no pescoço. Antônio estava detido na unidade prisional respondendo à acusação de assalto e estelionato.

O corpo foi encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Feira de Santana para exame necroscópico e o caso, registrado como morte a esclarecer, será investigado pela Polícia Civil.

Itapicuru: Justiça mantém decisão que interdita delegacia e carceragem

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

O pedido de suspensão da liminar que determinou a interdição da carceragem da Delegacia de Polícia em Itapicuru, a 133 km de Serrinha, foi negado pelo presidente do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), desembargador Eserval Rocha.

O pedido de suspensão foi apresentado pela Procuradoria do Estado, contra a liminar que determinava a interdição da delegacia e da carceragem por 60 dias, e que fosse realizado reformas e adequações necessárias na Cadeia Pública. A ação contra o Estado para interdição da carceragem foi movida pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA).

A Justiça, a pedido do MP, determinou ainda que fosse "apresentando projetos de reforma e contratação de obra em juízo neste período e previsão para execução de obras cujo prazo final de conclusão não pode superar oito meses". A Procuradoria afirmou que a decisão causa grave lesão à ordem pública, à segurança e à econômica pública.

O órgão diz que o desígnio de construção de estabelecimento penal viola a separação dos poderes, com interferência do Judiciário nas decisões da Administração Pública, e que a obra implica na realização de dispêndios, que “ultrapassam a disponibilidade orçamentária do Estado, com prejuízo das construções, em andamento, em outras localidades”.

Para o desembargador, a decisão como foi proferida “não se afigura lesiva à ordem, à economia ou à segurança públicas”. Rocha pondera que, “embora o problema da precariedade das instalações, noticiado pelo Ministério Público, não seja exclusivo da delegacia e carceragem de Itapicuru, tal circunstância não autoriza a inação do poder judiciário, principalmente quando a inércia da Administração implica em risco à integridade física dos apenados”, com violação dos preceitos legais previstos na Lei de Execução Penal.

Oposição vence eleição da Câmara de Conceição do Coité

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

O vereador Ivaldo Araújo (PSD) foi eleito presidente da Câmara Municipal de Conceição do Coité. Araújo, que faz oposição ao prefeito Assis (PT) chegou ao cargo após receber o voto da vereadora governista Rozana (PT).

Segundo o Correio do Mês, o pessedista, Lindo de Neuza (Prona), vice, e Elizane Cana Brasil (PSDB), secretária, compõem a nova mesa diretora para o biênio 2015/2016.

Araújo, a partir de fevereiro, será o primeiro na linha sucessória da prefeitura e agradeceu o apoio obtido pela oposição e garantiu que seu trabalho será “guiado com transparência e honestidade”. Ele lembrou que trabalhará em prol da população. O atual presidente Betão Gordiano (PT) não viabilizou sua reeleição e ficou com seis votos.

O petista deve assumir a liderança do partido na Casa. A posse acontece no próximo dia 1º, às 9h. A partir de hoje a Câmara entra em recesso parlamentar e as atividades legislativas só serão retomadas em fevereiro.

Com medo de acidente, idoso morre após pular de ônibus em movimento

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

Um idoso morreu na manhã desta segunda-feira (29), depois pular de um ônibus em movimento, no bairro de Alto do Cruzeiro, em Feira de Santana, a 69 quilômetros de Serrinha.

De acordo com o coordenador de trânsito da Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito, o veículo transportava moradores da zona rural de Pé de Serra para o centro da cidade quando apresentou problemas mecânicos no freio.

Sem conseguir parar, o motorista foi obrigado a jogar o carro contra o muro de uma instituição. Desesperados, os passageiros começaram a pular do ônibus em movimento. O idoso, que não teve o nome divulgado, também pulou e acabou sendo imprensado contra um poste. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu.

Outras pessoas também ficaram feridas e foram socorridas por unidades do Samu e encaminhadas para policlínicas e unidades de pronto atendimento (UPA).

Ainda segundo o coordenador, testemunhas relataram que o ônibus havia apresentado problemas ao longo da viagem e chegou a parar em uma oficina mecânica para verificar se tinha condições de seguir com o trajeto.

Veículo transportava passageiros da zona rural de Pé de Serra para Feira de Santana
Foto: site Acorda Cidade

28 de dez de 2014

Mulher morre em colisão na BR-116 entre Araci e Tucano

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

Uma mulher morreu após bater o carro que dirigia em um caminhão na BR-116, entre os municípios de Araci e Tucano, no Centro-Norte Baiano, na tarde deste sábado (27).

De acordo com informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), a vítima, uma professora do munícipio de Araci, conduzia um Fiat Uno, placa NTD-9750, quando bateu de frente com uma carreta na região do povoado Angico, por volta das 17h20m.

Com o impacto da colisão o caminhão saiu da pista e tombou no acostamento. O motorista do caminhão sofreu ferimentos leves e, após ser atendido no Hospital Municipal de Araci, prestou depoimento na delegacia. Ele foi liberado em seguida.

O corpo da professora foi encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica de Feira de Santana.

Mulher morre após colisão frontal com caminhão na BR-116

Acidente ocorreu na tarde de sábado (27) entre Araci e Tucano

Assaltantes morrem após troca de tiros com a CETO em Serrinha

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

Mais duas mortes em confronto entre policiais e suspeitos foi registrada em Serrinha.

Na noite deste sábado (27), dois suspeitos de praticar quatro assaltos no povoado do Cajueiro morreram após uma troca de tiros com militares da Companhia de Emprego Tático Operacional (CETO).

De acordo com a Polícia Militar, moradores do povoado denunciaram que dois homens armados assaltaram quatro pessoas levando das vítimas aparelhos celulares, dinheiro e objetos pessoais.

Militares que faziam ronda na região conseguiram localizar os suspeitos no povoado do Guarani pouco tempo depois do assalto. Houve perseguição e troca de tiros.

Os dois suspeitos, Gleidson Silva de Souza, de 21 anos, que morava no bairro Vila de Fátima, e Ronaldo dos Reis, de 30, vulgo “Tatu”, que morava no bairro da Bomba, foram baleados e morreram no pronto socorro do Hospital Municipal.

Com eles, a polícia encontrou dois revólveres e os aparelhos celulares roubados. Segundo a polícia, a dupla é suspeita de outros roubos na região.

Com os suspeitos a polícia encontrou dois revólveres e aparelhos celulares roubados
Suspeitos praticaram assaltos no Cajueiro e trocaram tiros com a CETO

Um dos suspeitos é Ronaldo dos Reis, vulgo “Tatu”


Homem é morto por dois homens encapuzados, em Tucano

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

Um jovem de 26 anos foi morto por dois homens encapuzados na tarde deste sábado (27), no município de Tucano, distante 83 km de Serrinha.

De acordo com a Polícia Militar, Márcio Rodrigues dos Santos foi morto na Praça Ana Oliveira, no distrito de Caldas do Jorro, por volta das 12h30.

De acordo com a polícia, com base em informações preliminares, os suspeitos invadiram um bar onde a vítima bebia com alguns amigos e o atingiram com cerca de seis tiros.

Paulistinha, como era conhecido o rapaz, ainda tentou fugir dos criminosos, mas caiu sem vida na calçada do estabelecimento. As motivações do crime ainda são desconhecidas.

Conforme a polícia, as primeiras apurações apontam que a vítima era suspeita de ter matado um homem identificado como João Paulo Souza Santana, de 26 anos, no dia 7 deste mês.

O crime ocorreu no mesmo distrito e teria sido motivado por disputas por pontos de tráfico de drogas. O caso está sendo investigado pela Delegacia Territorial (DT) de Tucano.

Vítima foi morta dentro de bar; caso é investigado pelo DT local

Enterrado corpo de queimadense que morreu em acidente com helicóptero em SP

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

O corpo da baiana Raquel dos Santos Vilas Boas, 26 anos, que morreu na queda de um helicóptero em Bertioga, no estado de São Paulo, foi enterrado na tarde deste domingo (28). Raquel trabalhava como babá para a família Müller e estava na aeronave indo para um hospital de São Paulo, onde trataria uma virose que a criança havia contraído.

Raquel nasceu no município baiano de Queimadas, que fica a 120 quilômetros de Serrinha, mas se mudou para São Paulo para trabalhar. O corpo dela foi enterrado às 15h20, no Cemitério Jardim da Paz, em Embu das Artes, região metropolitana de São Paulo.

O acidente - O helicóptero caiu por volta das 10h da manhã deste sábado (27) depois de decolar de um condomínio no município de Bertioga, em São Paulo. Segundo a PM, a aeronave explodiu depois de cair em uma área de mangue.

O casal Marcelo Müller e Lumara Rocha Passos Müller, sua filha de dois anos, Geórgia Passos Müller, o piloto Thiago Yamamoto e Raquel Vilas Boas morreram na hora. Marcelo Muller era natural de Ribeirão Preto, no interior paulista, e era um dos herdeiros da Companhia Müller de Bebidas, fabricante da Cachaça 51. Já Lumara, era diretora de vendas em uma emissora de televisão em São Paulo.

A aeronave saiu de um condomínio em Guarujá, onde também estão hospedadas a mãe e a avó de Lumara. Elas, entretanto, preferiram não acompanhar a família até a unidade de saúde.A empresa Helimarte, proprietária do helicóptero, enviou uma nota se isentando de culpa.

"A empresa está colaborando com todos os procedimentos de resgate e apuração e informa que a aeronave estava em perfeitas condições de voo e aeronavegabilidade. Profundamente compungida, a Helimarte lamenta a perda das vidas dos nossos passageiros e de nosso piloto e se solidariza com suas famílias", diz o comunicado.

Juíza atropela duas pessoas em Senhor do Bonfim, diz polícia

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

Juíza (de vermelho) dirigia carro Hillux
Uma juíza atropelou duas pessoas na BR-407, em trecho urbano de Senhor do Bonfim, segundo informações da delegacia local, onde a ocorrência foi registrada. A magistrada Elaine Santana Bispo, 36 anos, é lotada na comarca de Paulistana, no Piauí, mas é natural de Salvador, segundo a polícia.

O atropelo aconteceu em um trecho conhecido como da Passarela. As duas vítimas caminhavam às margens da rodovia quando foram atingidas pelo Hilux da juíza, com placa de Salvador. Dernival Santos Silva, 58 anos, sofreu fratura no quadril. A sobrinha dele, Alaine dos Santos Silva Jacome, 39 anos, teve ferimentos na perna.

Dernival acabou sendo arremessado e caindo sobre um carro que estava estacionado na avenida João Durval Carneiro. As duas vítimas foram socorridas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para o Hospital Regional Dom Antonio Monteiro.

A juíza foi levada à delegacia - ela se recusou a fazer o bafômetro e pagou multa de R$ 1.915,40, segundo a Polícia Rodoviária Federal.

A juíza foi liberada depois de prestar esclarecimentos - ela disse não saber o que causou o atropelo. Ela vai responder por lesão corporal em liberdade porque, segundo a polícia, ela prestou socorro às vítimas e foi espontaneamente à delegacia.

Carro da juíza que atropelou duas pessoas




Conheça a cidade na Bahia onde mulher comprometida é coisa rara

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

Entre as moradoras do município de Teodoro Sampaio, no Centro-Norte do estado, é bem difícil encontrar alguma que considere a vida um paraíso. Para elas, falta emprego, segurança, infraestrutura... e homem. E não é apenas uma sensação. Números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) atestam: em Teodoro Sampaio, seis em cada dez mulheres (58,5%) com mais de 18 anos não convivem com um cônjuge (seja em um casamento formal ou não), o que coloca a cidade, de 8 mil habitantes, no topo do ranking baiano da solteirice feminina.

Teodoro Sampaio tem muito mais mulheres do que homens, o que explica o índice





O resultado é maior do que a média da Bahia (45,13%) e bem distante da realidade do município de Luis Eduardo Magalhães, no Extremo–Oeste, onde apenas 27,02% das moças não encontraram um amor para chamar de seu (veja no texto da página ao lado).


Uma das razões da liderança de Teodoro Sampaio está bem clara nos números: o município tem mais mulheres do que homens. Lá, de acordo com o Censo de 2010, existiam apenas 89 homens para cada 100 mulheres. Em 2000, a situação era um pouco mais equilibrada, porque eram 94 rapazes para cada 100 moças.

“A nupcialidade tem uma razão muito direta com a razão de sexos, porque a gente está falando dessa disponibilidade numericamente favorável dos homens. Quando eles são poucos e elas são muitas, é natural que o número de solteiras seja maior”, explica o coordenador de disseminação de informações do IBGE, Joilson Rodrigues.

Casamento - Só que isso não quer dizer que as moças de lá não queiram casar (nem que queiram). De acordo com o juiz da comarca da cidade, que também atende o município de Terra Nova, Marcelo Lagrota, os homens de Teodoro Sampaio costumam sair da cidade em busca de emprego.

“Todos os meses, eu faço casamentos lá. Homem é que está um pouco difícil, porque eles saem em busca de oportunidades no mercado de trabalho, enquanto elas ficam numa situação mais conservadora. Hoje, a cidade é quase dormitório”, argumenta.

A média de enlaces fica em torno de 40 por ano, segundo o padre local, Márcio Andrade. “É uma cidade muito envelhecida, porque os jovens saem para trabalhar muito cedo. Tem cidades grandes próximas: Salvador (100 km) e Feira de Santana (46 km) e Conceição do Jacuípe (24 km), então eles não ficam aqui”.

Ou seja: os homens crescem e saem de Teodoro Sampaio deixando as mulheres teodorenses para trás. “É um município pequeno, com economia fraca. Por isso, as pessoas são forçadas a emigrar. No entanto, historicamente, as mulheres preferem ficar perto de suas casas”, diz Joilson Rodrigues, do IBGE.

Na casa de Patrícia, tanto ela quanto a filha, Valéria, são solteiras





Opção - Diante disso, as irmãs Mariana, 26 anos, e Marilena Alves, 24, não sabem nem mais para onde olhar. No caso delas, a solteirice não é opção... É falta de opção mesmo. “Tem pouquíssimos homens. Adolescente e idoso não falta, mas jovens a partir de uns 20 anos são raros”, afirma Mariana, que é nutricionista e diz que pretende se casar.


“Só não acho que vai ser com alguém daqui!”, brinca ela, que vai diariamente trabalhar em Feira de Santana, onde a situação está um pouco melhor (48,6% das mulheres não convivem com cônjuge).

E esqueça aquela história de tranquilidade no interior. “E tem muito jovem envolvido com o tráfico de drogas aqui, então não dá para ficar com um desses. Precisamos de qualidade, senão não adianta, né?”, pontua Marilena, que é assistente social.

Mãe e filha - E o problema não escolhe idade. Na casa da artesã Patrícia Gomes, 36 anos, tanto ela quanto a filha, Valéria, 16, estão solteiras. Patrícia foi casada, mas desde que terminou um relacionamento, há cerca de um ano, não se envolveu com mais ninguém. Já Valéria está fora da estatística, mas sente a dificuldade desde hoje. Ela namorou um rapaz de Salvador, por três anos, mas não tem mais companhia.

“A cidade até teria homem, só que eles vão embora porque precisam trabalhar. O maior exemplo são meus três filhos, que estão em São Paulo. Meu antigo companheiro também foi trabalhar em Minas. Por isso, aqui tem muita mulher chefe de família, mãe solteira”, comenta Patrícia.

O operador Leno Santos, 23, é desses que já rodaram o Brasil. Apesar de ter voltado para Teodoro Sampaio, nos últimos anos esteve em Minas Gerais, Sergipe e em outras cidades do interior da Bahia. “Aqui, a maioria dos trabalhos tem a ver com a prefeitura. Mas não acho que só tem mulher solteira”, contesta ele, que namora uma moça de Jaíba.

Juliana diz que a concorrência é alta




Atrativos - De fato, Teodoro Sampaio não é município lá muito atraente para jovens. O comércio, por exemplo, fica praticamente restrito a uma praça principal, onde também fica o fórum e uma agência bancária. E a vida noturna?


“O point é a pracinha, mas quem vai é todo mundo que a gente já conhece. Não tem gente nova”, diz Valéria, a filha de Patrícia.

A administradora Daniela Barros, 30, também não sai muito. “Não tem atrativos aqui, lugares para sair ou para ter alguma diversão, então a gente fica em casa mesmo ou vai para alguma outra cidade que tenha”.

E, claro, tem aquelas que são solteiras por razões, digamos, mais universais. “É difícil achar alguém que a gente goste. Às vezes, é uma pessoa legal, mas não bate a química, ou é alguém mulherengo”, pondera a auxiliar administrativa Nívia Roseiro, 41.

E, para completar, vem a dificuldade de encontrar alguém da mesma faixa etária com os mesmos interesses. A amiga dela, Neide Freire, 46, diz que sofre com isso. “E, como sou cristã, é difícil encontrar alguém que tenha a mesma fé”, explica.

Cuide bem - Com tanta mulher, a concorrência também é alta. Por isso, as comprometidas costumam fechar o cerco, segundo as solteiras. “Quem tem o seu trata de guardar, porque se perder vai ser difícil achar outro”, brinca a manicure Juliana Souza, 21.

E quem não tem pode tentar resolver o problema pedindo ajuda e fazendo muita promessa para Santo Antônio, o casamenteiro, ou tomando medidas extremas - como viajar quase 900 km em direção ao lugar onde a realidade é o oposto. Em Luis Eduardo Magalhães, que fica quase na divisa com o estado do Tocantins, uma coisa é certa: a proporção de homens é de 112 para cada 100 mulheres.

Depois que ficou sabendo disso, a assistente social Marilena Alves já até se animou. “Aqui, em Teodoro, já perdi as esperanças. Mas acho que é para essa cidade aí, Luis Eduardo, que a gente tem que ir”. Pode ser que sim, pode ser que não. Mas, em todo caso, boa viagem e boa sorte.

Salvador tem 83 homens para cada 100 mulheres - Em Salvador, a coisa também não está fácil para ninguém. A capital tem a pior proporção da Bahia entre homens e mulheres: são 83 rapazes para cada 100 moças. Além disso, Salvador ocupa o 8º lugar no ranking das cidades baianas com o maior número de moças solteiras (53,24% das mulheres com 18 anos ou mais não vivem com cônjuge). “A solteirice de Salvador provavelmente tem a ver com a baixa disponibilidade de homens. Além disso, na capital, é mais comum que as pessoas tenham relações menos formais”, explica o coordenador de disseminações do IBGE, Joilson Rodrigues.

Por isso, a estudante de Arquitetura Carina Macêdo, 22 anos, nunca encontrou alguém com quem tivesse vontade de ter uma relação mais séria. “Nós temos uma vida corrida e acabamos não tendo uma relação mais profunda com as pessoas. E ficou disseminado entre os jovens isso de não ter compromisso. Parece que o bom é só ficar e o namoro é quase algo pejorativo”.

Luis Eduardo Magalhães: o reino das comprometidas - Enquanto Teodoro Sampaio ganha pela solteirice, no município de Luis Eduardo Magalhães, no Extremo-Oeste do estado, acontece o contrário. Lá, a maior parte das mulheres está bem comprometida. Segundo o IBGE, apenas 27,02% das moças que moram na cidade, fundada em 2000, não vivem com cônjuge.

A proporção entre homens e mulheres também ajuda a entender: são 112 rapazes para cada 100 moças. Além disso, de acordo com o coordenador de disseminação de informações do IBGE, Joilson Rodrigues, o município ainda é uma área de dominância masculina. “Por ser um município em expansão, é mais comum que as mulheres que vão para lá cheguem com a família. E também tem uma cultura agrícola muito forte, ainda que tecnológica”, explica.

Assim, diante de um cenário onde as mulheres estão em menos quantidade, os homens podem querer garantir o compromisso. “As mulheres ainda não conseguiram um grau de equilíbrio, em termos númericos, naquele ambiente. Por isso, eles podem pensar, ‘ah, deixa logo garantir a minha’. Quando há um equilíbrio maior entre a razão de sexos, isso vai mudando”, diz Joilson.

Assim, quem estiver desejosa de casar já deve conhecer o canal. Pelo menos é o que diz a empresária Dávila Pimentel, 30 anos, que mora na cidade há três e está comprometida há dois anos e meio. “Aqui é o lugar, porque não tem muita opção de entretenimento, então todo mundo acaba namorando”, aconselha. Ela sabe o que diz: está de casamento marcado para o final de 2015. Além disso, Dávila garante que os homens são maioria por lá. “Tem restaurante que você fica até com vergonha de entrar, porque só tem homem. E tudo homem bonito, viu? Nas baladas, tem pouquíssimas mulheres”.

Mas, mesmo com a concorrência pequena e a baixa taxa de solteirice, não quer dizer que a conquista seja fácil. “Claro que tem aqueles que não querem compromisso, especialmente porque alguns estão só passando temporada”.

Depois de Teodoro Sampaio, as outras campeãs de solteirice... 
2 São Félix, no Recôncavo baiano, tem 55,19% de mulheres com mais de 18 anos que não vivem com cônjuge.
3 Cruz das Almas, também no Recôncavo, tem 54,7%. Na proporção, são 84 homens para 100 mulheres, atrás só de Salvador.
4 Anguera, no Centro-Norte, 54,38% das mulheres não têm companheiro. São 92 homens para 100 moças.
5 Castro Alves, no Recôncavo da Bahia, tem um índice de 54,24%. Lá, tem 89 homens para cada 100 mulheres.
6 Terra Nova, também do Recôncavo, tem 89 homens para 100 mulheres. O índice de solteirice é de 54,15%. (Correio24horas)

27 de dez de 2014

Mulher é morta a facadas pelo companheiro em Santo Antônio de Jesus

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

Uma mulher foi encontrada morta dentro da sua própria residência na manhã da última sexta-feira (26), em Santo Antônio de Jesus, cidade a 177 quilômetros de Serrinha.

De acordo com informações da Polícia Civil, Aline Sena dos Santos, 26 anos, foi morta a facadas na casa onde morava, na 1ª Travessa da Jueirana, no bairro São Paulo.

Ainda segundo a polícia, Aline foi encontrada morta pela mãe, por volta das 8h. O suspeito do crime é o companheiro da vítima, Reginaldo Menezes, que está foragido. O corpo de Aline foi encontrado em cima de uma cama com marcas de estrangulamento, além de golpes de faca.

A polícia afirmou ainda que foi encontrado uma grande quantidade de garrafas de bebida alcóolicas vazias dentro da residência. De acordo com informação de testemunhas, o casal bebeu bastante durante a noite de Natal.

Ainda não há informações sobre a motivação do crime. O corpo de Aline foi encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Santo Antônio de Jesus.

Briga por R$ 10 deixa um ferido em Ipirá

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

Uma briga de bar deixou um homem ferido na madrugada desta sexta-feira (26), na cidade de Ipirá, a 127 km de Serrinha.

Segundo o posto policial do Hospital Geral do Estado (HGE) um homem identificado como Romário pagou uma conta no valor de R$40 com uma nota de R$100 e recebeu apenas R$50 de troco.

A falta dos R$ 10 para completar o trocou causou uma discussão entre Romário e Edval Gonçalves Soares, de 34 anos, que havia levado a conta à mesa. A polícia não confirma que ele trabalhava no estabelecimento.

Após a discussão, Romário deixou o bar e voltou logo em seguida com uma faca, atingindo repetidas vezes o outro homem.

A vítima foi socorrida ao HGE e seu estado de saúde é estável. Não há informação sobre se o agressor foi preso.

26 de dez de 2014

Homem morre após ser baleado em festa em Teofilândia

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

Ronaldo Silva Coroa, de 24 anos, morreu após ser atingido por um tiro durante uma festa na madrugada desta sexta-feira (26), na comunidade de Portelinha, em Teofilândia, distante 24 quilômetros de Serrinha.

Segundo informações do boletim de ocorrência, um amigo da vítima se envolveu em uma briga com um adolescente de 17 anos, que estava armado.

Ao perceber a confusão, Ronaldo tentou sair do local com o colega, mas foi baleado. Segundo testemunhas, o adolescente apontou a arma para o amigo de Ronaldo, mas errou o alvo.

O rapaz não resistiu e morreu no pronto socorro do hospital municipal. O amigo dele não se feriu. Ainda de acordo com informações apuradoras pelo PCS, após o crime, o adolescente ligou para polícia e se entregou. O corpo foi encaminhado ao Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Feira de Santana.