21 de jul de 2011

Serrinha: comerciantes ocupam espaço público ilegalmente e prejudicam a mobilidade dos pedestres


Comerciantes expõem as mercadorias nas calçadas e nas ruas
Basta um breve passeio pelas ruas e avenidas de Serrinha para flagrar ambulantes, lava-jatos, oficinas mecânicas, serralherias, lanchonetes, bares e até lojas de roupas ocupando as ruas e calçadas. A prestação desses serviços proliferam em toda a cidade, causando transtornos tanto para o tráfego de veículos quanto para a mobilidade dos pedestres, expostos a riscos, como atropelamentos.

“As oficinas aqui no bairro deixam a desejar, pois eles colocam os carros para consertar ou pintar em cima das calçadas e nos obrigam a ficarmos expostos na rua”. A reclamação é do encanador Gilberto Barros, 28 anos. Morador do bairro da Rodagem, Dantas convive diariamente com uma infinidade de irregularidades nas ruas do local.

Na Avenida ACM, bem em frente a secretaria de Infraestrutura, os serviços de uma serralheria são realizados debaixo de uma cobertura no meio da calçada. “O dono entende que o espaço público é uma extensão da loja dele e ai resolve colocar tudo no meio da rua”, protesta um pedestre que preferiu não se identificar.

Na Praça Morena Bela, o proprietário de um bar coloca as mesas do estabelecimento em cima da calçada, e às vezes, os clientes tomam cerveja debaixo de toldos armado no meio da avenida. O curioso é que o local é frequentado por autoridades e políticos da cidade.

A céu aberto, uma oficina localizada na Manoel Novais toma espaço no asfalto. O mais inusitado é que os mecânicos sinalizaram a avenida com um cone de trânsito, com a finalidade de afastar os carros que transitam na área. Os pedestres, sem opção, andam pelo meio da via, sujeitos a serem atropelados a qualquer momento. “A prefeitura não resolve nunca essa situação, e nem fiscaliza o espaço adequado para essas atividades”, brada Marlene da Silva.

Na Rua Jonas Carvalho, centro da cidade, os comerciantes e ambulantes expõem as mercadorias nas calçadas e nas ruas, obstruindo o trânsito dos pedestres. Os comerciantes da área alegam que foi a forma encontrada para ofertarem os produtos e atraírem a clientela, mesmo sendo considerada irregular. “Se não colocarmos os produtos do lado de fora, comprometemos a venda e a divulgação. É isso que atrai o cliente”, justifica um dono de loja.

Nem um órgão de Controle e Ordenamento do Uso do Solo do Município fiscaliza as irregularidades.

Veja outras imagens

Os serviços desta serralheria na Av. ACM são realizados na calçada
Esta lanchonete no centro da cidade (em frente ao Bradesco) serve os clientes na calçada
A loja de material de construção coloca os produtos à venda em cima da calçada na Av. Manoel Novais

Nenhum comentário:

Postar um comentário