1 de mai de 2019

Serrinha e outros 5 municípios da região do Sisal podem ter surto de dengue, zika e chikungunya

Redação Portal Cleriston Silva PCS

O primeiro Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) de 2019 indica que 994 municípios (20% do total realizado) apresentaram alto índice de infestação, com risco de surto para as doenças dengue, zika e chikungunya. O Ministério da Saúde alerta que o sistema de vigilância de estados e municípios e toda a população devem reforçar os cuidados para combater o mosquito.

O estudo separa as cidades em níveis de risco, alerta e satisfatório. Segundo os dados, coletados no período de janeiro a março, Água Fria, Barrocas, Candeal, Conceição do Coité, Euclides da Cunha, Ichu, Inhambupe, Irará, Lamarão, Monte Santo, Nordestina, Pé de Serra, Quijingue, Retirolândia, Riachão do Jacuípe, Santo Estevão, São Gonçalo dos Campos, Serra Preta, Tucano e Várzea da Roça estão em estado de alerta para as doenças.

O levantamento mostra ainda que as cidades de Anguera, Antônio Goncalves, Capela do Alto Alegre, Capim Grosso, Itiúba, Jeremoabo, Nova Fátima, Nova Soure, Queimadas, Santa Bárbara, Santaluz, São Domingos, Sátiro Dias, Senhor do Bonfim, Serrinha, Tanquinho e Valente estão em risco. Já os municípios de Biritinga, Crisópolis, Olindina e Teofilândia estão com índice satisfatório [Acesse o informe epidemiológico].

Ao todo, 5.214 municípios realizaram algum tipo de monitoramento do mosquito transmissor dessas doenças, sendo 4.958 (95,1%) por levantamento de infestação (LIRAa/LIA) e 256 por armadilha. A metodologia da armadilha é utilizada quando a infestação do mosquito é muito baixa ou inexistente no local. Os resultados reforçam a necessidade de intensificar imediatamente as ações de prevenção contra a dengue, zika e chikungunya, em especial nas cidades em risco e em alerta.

O armazenamento de água no nível do solo (doméstico), como tonel, barril, foi o principal tipo de criadouro, seguido dos depósitos móveis, caracterizados por vasos/frascos com água, pratos e garrafas retornáveis. Por último, depósitos encontrados em lixo, como recipientes plásticos, garrafas PET, latas, sucatas e entulhos de construção, sendo passíveis de remoção.

Casos de dengue, zika e chikungunya - Em 2019, até 13 de abril, foram registrados 451.685 casos prováveis de dengue no país, aumento de 339,9% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 102.681 casos. A incidência, que considera a proporção de casos em relação ao número de habitantes, tem taxa de 216,6% casos/100 mil habitantes. O número de óbitos pela doença também teve aumento, de 186,3%, passando de 66 para 123 mortes.

Em relação à zika, foram registrados 3.085 casos, com incidência de 1,5 caso/100 mil hab. Em 2018, no mesmo período, foram registrados 3.001 casos prováveis. Em 2019, não foram registrados óbitos por zika. Também foram registrados 24.120 casos de chikungunya no país, com uma incidência de 11,6 casos/100 mil hab. Em 2018, foram 37.874 casos – uma redução de 36,3%. Em 2019, não foram confirmados óbitos por chikungunya.

Nenhum comentário:

Postar um comentário