20 de set de 2014

Bancários ameaçam greve após nova rodada de negociações

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

Os bancários da Bahia e de outros estados ameaçam entrar em greve depois de 30 dias de negociação sem sucesso com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). A Fenaban ofereceu reajuste de 7% enquanto os bancários reivindicam 12,5%. Segundo os trabalhadores, a oferta dos bancários representaria aumento real de apenas 0,65%. Os bancos oferecem também reajuste de 7,5% no piso salarial, enquanto a categoria pede R$ 2.979,25, valor do mínimo definido pelo Dieese.

A última rodada de negociação foi nesta sexta-feira (19). Ainda houve negociação sobre a Participação dos Lucros e Resultados, que continuará nos mesmos moldes de acordo coletivo feito em 2013 – 90% do salário reajusto em setembro de 2014, mas o valor fixo de R$ 1.812,58, com máximo de R$ 9.727,61.

A parcela adicional é de 2,2% do lucro líquido apurado no exercício de 2014, dividido pelo número total de empregados elegíveis de acordo com as regras da convenção, em partes iguais, até o limite individual de R$ 3.625,16. O benefício também não pode ser superior a 15% do lucro líquido. A antecipação segue o mesmo modelo de 2013.

Outras cláusulas consideradas “de suma importância” pela categoria não foram tratadas pelos bancários, como o fim de demissões, ampliação do quadro de funcionários, fim das metas e do assédio moral. Presidente da Federação da Bahia e Sergipe, Emanoel Souza lamentou em nota o desenrolar da negociação. “A proposta é insuficiente. Não temos outra alternativa senão ir a greve. Mas antes, faremos assembleias dentro dos prazos legais, respeitando a lei 7783/89″.

Nenhum comentário:

Postar um comentário