24 de out de 2016

Serrinhense está entre os mortos em assalto a ônibus na BR-116; família nega envolvimento da vítima

Redação Portal Cleriston Silva PCS

Foram identificados nesta segunda-feira, 24, os corpos dos três homens mortos durante tiroteio entre ladrões e um passageiro de um ônibus intermunicipal na madrugada deste domingo, 22, na BR-116, em Serrinha, durante tentativa de assalto.

O ônibus da empresa São Luiz, placa JLH-7771, seguia de Salvador para Uauá quando bandidos armados interceptaram o veículo por volta de 1h20, nas proximidades do entroncamento de Lamarão - eles estavam em um Renault Logan. Nesse momento, um passageiro ainda não identificado, que também estava armado, reagiu ao assalto e deu início a um confronto dentro do coletivo.

Das três pessoas mortas, um era o passageiro e operador de máquinas Galdino de Souza Galiza, 54 anos, que morava na Rua Macaúbas, no bairro Cidade Nova, em Serrinha, e que trabalhava em uma empresa de terraplanagem em Salvador.

Os outros dois mortos são os suspeitos Mesac Silva Souza Cardoso, 24 anos, e Junior César Pereira dos Santos, 31. Eles morreram após dar entrada no Hospital de Serrinha, socorridos pelos policiais da Companhia de Emprego Tático Operacional (CETO).

O irmão do operador de máquinas foi quem o identificou. Ele disse que estava aguardando Galdino chegar em casa, mas como ele demorou, começou a procurá-lo em hospitais, na polícia, e após ver a foto dos três mortos, que estavam sendo compartilhadas na internet, reconheceu um deles como sendo o seu irmão e foi ao DPT confirmar a identidade.

Ele acredita que Galdino de Souza Galiza não foi identificado inicialmente porque os documentos estavam nas malas. Como a vítima trabalhava em Salvador, ia para casa somente a cada quinze dias.

Nas redes sociais, familiares confirmaram que Galdino não era assaltante. “Uma pessoa que cresceu os dentes trabalhando perde a vida como um bandido. Venho nessa postagem, desmentir essa reportagem do assalto a ônibus hoje pela madrugada, onde um homem de bem perdeu a vida e está rotulado como bandido. Que a justiça de Deus e a justiça dos homens seja feita”, escreveu um sobrinho de Galdino.

Durante o tiroteio, também ficaram feridos o passageiro Nadson Oliveira Lima, 37 anos, conhecido como "Nakinho de Zuzinha", morador da cidade de Barrocas, atingido no peito, e o cobrador Ítalo Rodrigues, 24 anos, baleado nas nádegas. Eles foram socorridos no Hospital de Serrinha e depois transferidos para o Hospital Geral Clériston Andrade.

Outros dois ladrões que também entraram no ônibus conseguiram correr de volta para o Logan, que dava cobertura, e fugiram. Até a manhã desta segunda-feira, 24, nenhum suspeito de envolvimento no assalto havia sido preso.

4 comentários:

  1. Tem que investigar por que o cobrador e o passageiro q foi logo identificado transferiu logo para feira já o outro q não teve a identificação junto com os dois ladroes morreu assim do nada muito estranho se no casa identificasse logo como passageiro talvez teria sido diferente

    ResponderExcluir
  2. Tem que investigar por que o cobrador e o passageiro q foi logo identificado transferiu logo para feira já o outro q não teve a identificação junto com os dois ladroes morreu assim do nada muito estranho se no casa identificasse logo como passageiro talvez teria sido diferente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo Tiago Brito!
      De fato Galdino Galiza não teve o Socorro que merecia como cidadão de bem, homem simples que procurava viver de maneira digna... Não é atoa que estava no ônibus voltando do trabalho para o seio da família...
      Ninguém merece ter um fim tão trágico e injusto como
      Galdino teve.

      Excluir
  3. Galdino Galiza era um cidadão de bem,muito triste terminar assim,talvez se ele tivesse um atendimento logo teria chance de sobreviver mas infelizmente o julgaram como bandido e aí a gente já sabe que eles o deixaram entregue a própria sorte,muito injusto,isso não pode ficar assim que a justiça seja feita.

    ResponderExcluir