19 de out de 2016

Tiro que matou vigilante em roubo a mineradora pode ter sido acidental, diz polícia

Redação Portal Cleriston Silva PCS

Os homens encapuzados que invadiram a Jacobina Mineração e Comércio (JCM), no município de Jacobina, a 200 km de Serrinha, usaram explosivos para ter acesso ao interior da mineradora e arrombar o cofre da empresa. A informação foi divulgada pelo diretor da empresa, Sérgio Saliba, durante entrevista à imprensa local. Segundo informações da Polícia Civil, até a manhã desta terça-feira (18) ninguém havia sido preso e o caso está sendo investigado.

Ainda de acordo com Saliba, foram feitas duas explosões, a primeira em uma grade de proteção e a outra em um cofre, onde estava o ouro que foi levado. A quantia roubada ainda não foi mensurada pela polícia, toda ação durou cerca de 40 minutos. De acordo com a instituição, após leitura inicial das imagens, há suspeitas de que o tiro que matou o vigilante Nilson Aleixo Nascimento tenha sido acidental, por um dos criminosos.

“Segundo os vigilantes, um dos bandidos tentou desarmá-los, enquanto eles estavam rendidos no chão. O disparo aconteceu quando, depois de um movimento para ajeitar a mochila, o criminoso acabou disparando”, contou o diretor da empresa.

Saliba disse ainda que, durante a fuga do grupo criminoso, um funcionário foi rendido e quatro carros da empresa foram incendiados para dificultar o acesso da polícia ao local. Não houve troca de tiros. Com as explosões, a estrutura do prédio ficou comprometida e a mineradora ainda não calculou os prejuízos sofridos.

O ataque - Cerca de 10 homens portanto armas de grosso calibre invadiram a mineradora, na madrugada desta segunda-feira (17). Segundo informações da Polícia Militar, a ação aconteceu por volta das 1h30 da madrugada, no povoado de Itapicuru, onde fica a sede da empresa responsável pela exploração de ouro na região. Ainda segundo a polícia, o vigilante Nilson Aleixo Nascimento foi morto durante o roubo. O corpo do vigilante foi enterrado nesta terça-feira (17).

Nenhum comentário:

Postar um comentário