31 de mar de 2011

Produção orgânica garante renda e qualidade de vida para família de Teofilândia

Na Comunidade de Vargem Velha no município de Teofilândia, a 23 km de Serrinha, uma família tem garantido a sustentabilidade e a geração de renda através do cultivo de hortaliças e frutas, respeitando os princípios da convivência com semiárido. O casal José Raimundo Soares Souza e a esposa Suzana Ferreira dos Santos sustentam os seis filhos com muita dignidade e amor a terra, após ganharem uma cisterna de produção, com capacidade para armazenar 52 mil litros de água da chuva, através da parceria entre o Movimento de Organização Comunitária (MOC) a Articulação do Semiárido Brasileiro (ASA Brasil).

Durante a semana eles possuem uma rotina de trabalho intensa, mas que em nada se compara a vida que levavam antes de possuírem água para beber, cozinhar e produzir. É o que conta José Raimundo, mais conhecido como Mundo. “Era difícil, primeiro a gente tinha que pegar água num tanque de chão, segundo era longe, era tudo mais difícil, depois que a gente recebeu esse beneficio tudo mudou. Antes eu para trabalhar com horta cavava um buraco e pegava uns 700 litros de água e cobria, aí começava a trabalhar, mas com dificuldade, que a água era pouca, tinha que ir comprar as coisas na rua, hoje aqui é diferente, eu sei que é saudável, e isso é muito importante para gente por que sabemos que é nosso”.

Para o cultivo de hortaliças como alface, couve, coentro, hortelã, verduras como quiabo, pimentão e frutas como pinha e o maracujá, ele conta com a ajuda da esposa, Suzana, que faz questão de se envolver em tudo. “A gente faz tudo junto, planta e vende. Para todo lugar que ele ia, eu ia atrás, aprendi muita coisa, desde criança sou criada na roça. O que mais gosto de fazer é trabalhar com alface e hortaliça”. Toda a produção da família é vendida na feira da cidade, que acontece aos sábados.

Da rotina de acordar cedo, às 3 horas da manhã para comercializar na feira eles não reclamam, pois se recordam que já viveram fases piores, como conta José Raimundo. “A água do açude era usada por muita gente e ainda hoje muitos dependem dela, às vezes quando eu tenho aqui vem gente pegar, a gente tem que zelar. Tem um ano e meio que tenho a cisterna de produção e dois anos a de consumo. Aqui de tudo a gente tem um pouco, antes eu trabalhava para os outros, mas hoje sou meu patrão, tem dois anos que eu não dou um dia fora na roça de ninguém, só trabalho aqui durante a semana e sábado coloco minha barraca na rua”, recorda o agricultor.

Referência para comunidade- O sucesso da produção da família se expandiu para a comunidade. A qualidade dos produtos e a proximidade de casa têm atraído os vizinhos que não precisam esperar a feira do sábado para obter a produção orgânica. “A gente vende muito aqui na comunidade mesmo, toda hora é um procurando a gente para comprar, ‘vou buscar na casa de Zé Raimundo que é perto’, graças a Deus todo mundo já sabe que a gente não usa produto químico, só orgânico”, explica.

A única coisa que utilizam como fertilizante é esterco de gado, para o plantio do maracujá também utilizam cinza, ele ensina que é preciso ter cuidado com os anéis que se formam em torno do fruto. “Tem que tirar tudo se não eles cortam o maracujá. Aprendi a trabalhar com produto orgânico nos cursos , observando, é um imitando o outro. O maracujá dá oito meses, se cuidar bem dele é o ano todo, desse maracujá sem veneno até a casca se aproveita para fazer farinha para cuidar do colesterol. Nesta semana vendi cinco caixas, na feira vendo oito por um real”, afirmou.

O transporte de tudo é feito na carroça, antes ele pagava R$ 30, 00, agora ele mesmo leva a produção. “Por feira, a depender, dá pra ganhar R$ 100,00, chega dia em que lucramos R$ 160,00 por semana juntando com o que a gente vende na comunidade mesmo, a gente vai vendendo uma coisa e outra e vivendo, por mês chegamos a ter R$ 600,00 de lucro”, enfatiza.

Mudança de vida - Suzana fala sobre as mudanças na qualidade de vida da família. “Melhorou muita coisa, pois agora eu tenho o pão dos meus seis filhos, a mais velha tem 12 anos e já ajuda a gente. A saúde também, antes comia coisa que não conhecia, a gente come da nossa roça mesmo, sabe o que ta plantando, sabe o que ta comendo. Eu sou feliz de morar aqui e tenho amor por esse trabalho”, se emociona Suzana, com a filha recém-nascida nos braços.

“Minha nossa eu sou muito feliz, imagine você pegar o dia inteiro trabalhando para os outros? Agora é que ta bom pra mim, eu acordo de manhã cedo, trabalho até 10 horas na fresca e depois vou de duas horas da tarde até cinco, se fosse para os outros eu não podia fazer isso. É para mim e minha família, hoje é só alegria. Os filhos também sabem que tem a hora de estudar, de brincar e ajudar um pouco, e a gente vai ensinando, pois imagine se amanhã eles não souberem plantar, não é todo dia que se acha emprego. Enquanto existir esse trabalho eu não largo, meus filhos tem que ser criado disso aqui”, fala com orgulho o agricultor.

“Aqui a gente tem uma tarefa de terra plantada, mas o importante é você ter a água, você teve a água, com pouca terra você sustenta uma família, se não tiver água eu não trabalho. É muito bom a gente ver aquela aguada e a cisterna ali”, resume feliz José Raimundo que possui além da cisterna de enxurrada que capta água para produção de alimentos, uma cisterna de consumo também conquistada através do Programa Um Milhão de Cisternas e um barreiro recém construído pelo Projeto Aguadas, ambos realizados pelo MOC e ASA Brasil, em parceria com o governo federal e estadual.

Um comentário:

  1. Parabéns pela postagem, vamos olhar mais um pouco mais para essas atividades que não prejudica o meio ambiente.

    ResponderExcluir