17 de jan de 2011

Uso indiscriminado de cone sinalizador em Serrinha

Os cones de trânsito têm a finalidade de sinalizar áreas de trabalho, obras em vias públicas ou rodovias, orientação de trânsito de veículos e de pedestres, no entanto o que se vê em Serrinha é uma banalização do uso deste equipamento de proteção coletiva. Qualquer pessoa pode comprar os tais cones, mas é possível observar o uso indiscriminado do equipamento, muita gente utiliza para “controlar” o trânsito e estacionamento.

Uma oficina coloca cones para consertar carros nas ruas, alguns comerciantes os utilizam para reservar vagas, outras pessoas usam para marcar garagens, enfim não existe um critério para utilização do equipamento pela população.


De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), capítulo III, das Normas Gerais de Circulação e Conduta, sobre a utilização de cones em vias públicas, os usuários das vias terrestres devem: abster-se de todo ato que possa constituir perigo ou obstáculo para o trânsito de veículos, de pessoas ou de animais, ou ainda causar danos a propriedades públicas ou privadas; II - abster-se de obstruir o trânsito ou torná-lo perigoso, atirando, depositando ou abandonando na via objetos ou substâncias, ou nela criando qualquer outro obstáculo. Segundo a assessoria do Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN) só é permitida a utilização de cones com autorização do órgão, do contrário é infração.

Mesmo sendo proibida a colocação indevida, é possível comprar o equipamento. Além disso, o que se observa é que os cones vendidos são similares aos utilizados tanto pelos órgãos de trânsito, amarelo e laranja, como os utilizados pela polícia preto e branco, portanto a população pode ter acesso a equipamentos similares aos órgãos oficiais.


Várias lojas especializadas em equipamentos de segurança vendem o produto. O preço dos cones varia de R$11,00 à R$90,00, dependendo do modelo, tamanho e finalidade.

Um supermercado da cidade na Rua Agenor de Freitas utiliza seis cones para evitar que estacionem. Um motorista de táxi que não quis se identificar defende o uso porque, mesmo com uma placa indicando que é ponto de táxi, muitas pessoas estacionam. “Se a gente não colocar os cones, os motoristas não respeitam, mesmo com a placa indicando que é ponto de táxi”, justifica. Na Avenida Manoel Novais, o proprietário de uma loja de móveis usa três cones para garantir o estacionamento de clientes e de veículos da própria loja.

Um comentário:

  1. ha esse negoço dos cone tem que ser assim mesmo o povo bota os carro na frente dos cumeço dos outros deixa la o dia todo esqueçe que tem carros pra descarregar ou caminhoes tem que botar os cone mesmo e pronto se dinho do detran reclamar mete um na cabeça dele e dakeles guardinha puxa saco dele..............kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir