24 de fev de 2015

Caminhoneiros mantêm bloqueios em rodovias na Bahia e outros oito estados

Redação Portal Cleriston Silva PCS 

Caminhoneiros baianos continuam as manifestações que reivindicam a redução do preço do combustível e a valorização do frete. Os protestos começaram na segunda-feira (23) e foram intensificados na manhã desta terça (24), por volta das 9h. Segundo balanço divulgado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), os caminhoneiros fecharam rodovias na Bahia e em oito estados.



Além da Bahia, as interdições são no Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais e São Paulo –no viaduto de acesso ao porto de Santos.

Na Bahia, um grupo de caminhoneiros está bloqueando três trechos de rodovias federais na região de Luís Eduardo Magalhães, município do oeste baiano. Os trechos são da BR-242, na saída para Barreiras (km 874); da BR-020, na saída para Brasília (km 200) e da BR-242 na saída para Tocantins (km 887).

Além de bloquear a estrada, os manifestantes queimaram pneus e levaram faixas com mensagens de protesto. Segundo informações da PRF de Barreiras, apesar da manifestação, veículos de passeio e ônibus estão sendo liberados para seguir.



No Brasil, os estados mais prejudicados são Santa Catarina, com 17 trechos bloqueados, o Rio Grande do Sul, com 15 pontos interditados, e Paraná, com 14 bloqueios. As rodovias de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais tiveram aumento no número de interdições causadas pelos caminhoneiros.

A Justiça Federal do Rio Grande do Sul determinou, na tarde desta terça-feira (24), a liberação de três rodovias federais ocupadas em protesto na região de Pelotas.

A decisão, em caráter liminar, estabelece o prazo de uma hora para que as BRs 293, 116 e 392 sejam liberadas.

O prazo passa a valer assim que ocorrer a notificação por meio de um oficial de justiça, sob pena de multa de R$ 5 mil por hora.

Além do Rio Grande do Sul, o órgão também pediu à Justiça a liberação de rodovias em Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário