23 de jun de 2016

Após 13 dias, corpo achado queimado em Santaluz ainda não foi identificado

Redação Portal Cleriston Silva PCS

Um dos corpos encontrados carbonizados dentro do porta-malas de um carro, em Santaluz, no nordeste da Bahia, ainda não foi identificado, mesmo 13 dias após o crime. Segundo informações do Departamento de Polícia Técnica (DPT), o corpo já foi submetido ao teste de DNA, entretanto ainda não há data exata para o resultado do exame. A suspeita da polícia é de que a vítima seja Jeovan Bandeira, que está desaparecido. O outro corpo, já identificado, é de Edivaldo Silva de Oliveira, de 32 anos.

Os dois eram amigos, trabalhavam como professores e moravam em Santaluz. De acordo com a polícia, ainda não há suspeitos do crime, e nem informações sobre a motivação.

Fábio Bandeira, irmão de Jeovan, relatou que está à espera de uma solução para o caso e disse que prefere não especular o que pode ter acontecido. "A investigação é entre eles [policiais], mas a gente não vê tanto êxito. A polícia está trabalhando, então a gente não pode julgar o que poderia ter ocorrido", disse.

Uma semana após um protesto em Santaluz, que reuniu familiares e amigos de Edivaldo Silva, outra manifestação foi realizada por conta do crime, mas desta vez no distrito de Pereira, localizado a cerca de 60 km de Santaluz.

No ato, que ocorreu na segunda-feira (20), os participantes levavam cartazes de apoio às famílias, com mensagens contra a violência. A mobilização foi encerrada com um culto ecumênico realizado em uma praça do distrito de Pereira.

Segundo a polícia, depoimentos de familiares e amigos afirmam que os professores eram gays. Bandeiras com arco-íris, que representam o público LGBT, lançavam luz sobre a possibilidade do crime ter motivação homofóbica.

Marcelo Cerqueira, presidente do Grupo Gay da Bahia (GGB), disse que espera que a hipótese de crime por homofobia seja investigada. "Todos os crimes cometidos que envolvem homossexuais com vítimas, a orientação sexual pesa de forma desfavorável na decisão de matar ou não. Existe uma cultura que considera homossexuais indivíduos de segunda categoria. Tudo vira ódio", atesta. O ativista destaca que 18 gays foram assassinados na Bahia somente neste ano.

Crime - Os dois corpos foram encontrados carbonizados dentro do porta-malas de um carro incendiado às margens da BA-120. O veículo estava abandonado na estrada que dá acesso ao município vizinho de Queimadas.

Segundo a PM, guarnições da corporação e da Guarda Municipal foram acionadas após receberem a informação de que um acidente teria ocorrido e, quando chegaram ao local, na noite do dia 10 de junho, constaram que os corpos estavam no porta-malas. (G1/Bahia)

Nenhum comentário:

Postar um comentário