7 de dez de 2010

Biritinga: sindicalistas fazem manifestação contra irregularidades, perseguições e ameaças

Mais uma vez o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (SSPM) demonstrou sua disposição de luta e tomou as ruas de Biritinga nesta terça-feira (7) com cerca de 50 representantes de organizações de defesa dos trabalhadores que estampavam no rosto a garra de uma categoria que não desiste de seus direitos. A manifestação ganhou mais força com o apoio da Deputada Estadual Fátima Nunes (PT), Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar do Estado da Bahia (FTRAF), Central Única dos Trabalhadores da Bahia (CUT/BA) e do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Extração de Minério (SINDIMINA).

Contratação de 360 prestadores de serviços sem concurso; terceirização em atividades fins no serviço público; contratações irregulares; criação de 160 cargos para empregar familiares do prefeito e de vereadores; criação de subsecretarias, departamentos e outras chefias de forma desnecessária, que oneram a folha de pagamento do município, são algumas das denúncias do sindicato apresentadas ao Ministério Público (MP) contra a administração de Gilmário Souza “Gil de Gode”.

Além das irregularidades e perseguições a funcionários que apóiam outras correntes políticas ou são filiados ao SSPM, a cidade vive um clima de insegurança por causa das recentes ameaças contra Ana Neide Brito Barbosa, presidente do SSPM. “Por várias vezes já me disseram que eu só vou parar de fazer denúncias, quando for encontrada com a boca cheia de formiga”, relatou a sindicalista sem informar de onde partiram as ameaças.

Em nota de repúdio, a Central Única dos Trabalhadores diz que “a atual gestão pública municipal de Biritinga desrespeita a liberdade de organização sindical e os direitos trabalhistas dos servidores públicos, além de ameaçar contra a vida de dirigentes sindicais da categoria. A CUT repudia as arbitrariedades e defende a imediata retomada das negociações entre prefeitura e sindicato. O comportamento do prefeito não condiz com o ambiente democrático e de diálogo social que o país está vivendo. Para a CUT, neste momento, é fundamental garantir a segurança dos dirigentes sindicais e impedir que se repita em Biritinga o que aconteceu em Porto Seguro-BA, em 2009, quando a intolerância de gestores municipais à manifestação pacífica dos professores municipais conduziu ao brutal assassinato de Elisney e Álvaro, dirigentes sindicais da CUT e APLB.

A deputada Fátima Nunes disse que apóia qualquer manifestação de defesa dos direitos dos trabalhadores. “O gestor municipal tem a obrigação de pagar os salários em dia, garantir os direitos trabalhistas e previdenciários, conforme a lei que rege o estatuto do servidor. Nós não vamos abrir mão dessa luta enquanto o trabalhador estiver sendo injustiçado”, garantiu a parlamentar.

Uma pauta com as principais reivindicações dos servidores, entre elas o plano de cargos e salários, foi apresentada ao prefeito que prometeu marcar uma reunião com a categoria para negociar.

Sindicato Atuante - Após denúncias do sindicato local, o MP determinou a retirada de 160 cargos públicos criados para beneficiar parentes e amigos do prefeito, 45 funcionários concursados foram empossados por via judicial e três funcionários com 28 anos de serviço, dispensados pelos gestores, foram reabilitados pelo MP, a partir da iniciativa do SSPM.

Veja outras imagens

Manifestantes em frente à sede da prefeitura Manifestantes saem em caminhada pelas ruas da cidade Sindicalistas fazem discurso na feira livre

2 comentários:

  1. HA MACHO O QUE TEM DE GENTE COM 2 TRES SECRETARIAS NESSA BIRITINGA NUN TA NO GIBI

    ResponderExcluir
  2. É MACHO ESSE POVO SINDICALISTA SAO TUDO BAGUNCEIRO MANDA TOMAS DERRUBAR TUDO AI PRONTO

    ResponderExcluir